Tags

, , , , ,

Jesus predisse que, com a pressão do fim dos tempos, veríamos: “Os homens desmaiarão de terror…” (Lucas 21: 26ª).
Milhares de pessoas ao redor do mundo estão enfrentando traumas, instabilidade emocionais de uma montanha russa, como nós conhecemos nos parque de diversão.
A psique do homem moderno esta sendo abalada, pois, “nos últimos dias” o mundo “irá de mal a pior” (2 Timóteo 3: 1, 13). Jesus previu que a natureza estará convulsionada, e “Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra as nações ficarão angustiadas e perplexas pelo bramido do mar e das ondas” (Lucas 21: 25. grifo meu). Quanto mais se aproxima a Grande Tribulação, mais angustia e perplexidade as nações enfrentarão.
A depressão é algo que sempre existiu. Nos últimos tempos, porém ganhou ares de epidemia. Nunca tanta gente esteve deprimida como na época atual.
Atualmente a depressão é considerada doença. Alguns a chamam de “gripe das psicopatias”. Porém, nem sempre a depressão deve ser tratada com remédios. Mesmo quando esse é o caso, a medicação que benefício uma pessoa pode não servir para outra. Todo fármaco deve ser tomado com prescrição e acompanhamento médico, inclusive os antidepressivos, afinal Jesus nos ensinou: “… Não necessitam de médico os são, mas, sim, os doentes” (Mateus 9: 12b).
Há diferentes tipos e sintomas de pressão existem, também, diferentes causas, por isso, torna- se necessária o acompanhamento de um profissional qualificado, que faça uma investigação cuidadosa. Afinal, a identificação das verdadeiras razões é o que irá possibilitar o tratamento correto.
A depressão poder ser causado pelas causas ambientais, emocionais, ocasionais, existenciais ou espirituais. Lembre- se! O esfacelamento da sociedade, quebra dos padrões morais, e a desintegração da família. Tem diminuído a esperança e o interesse pela vida, aumentando, consequentemente, o número de suicídios na presente geração. O alto índice de divórcios tem em muito colaborado para esse aumento. Jó declarou: “Os meus parentes me desampararam, e os meus conhecidos se esqueceram de mim” (Jó 19: 14).
O que podemos falar da violência? Presenciamos todos os dias, assaltos, assassinatos e todo tipo de barbáries. “Aguardava eu bem, e eis que me veio o mal; esperava a luz, veio- me a escuridão” (Jó 30: 26).
O depressivo tende- se a isolar- se, fugir de tudo e todos, desaparecer, perde a vontade de viver, e por falta de conhecimento muitos familiares e amigos não ficam a tentos aos sintomas, e ao invés de ajudar o sofredor, ofendem com soluções simplistas, dizem ao deprimido: “Reaja”, ou que “não se sinta desse jeito”, ou que “a vida é bela” ou que “existem coisas piores”. Tais palavras darão ao depressivo a certeza que não foi compreendido. Ele se fechará ainda mais e se entregará ao pessimismo. Não seremos de grande ajuda. Tal qual os amigos de Jó, estaremos agindo como conselheiros sinceros, mas equivocados. Assim como eles merecemos o título de “consoladores molestos” (Jó 16: 2).
Se for da vontade de Deus sarar- nos utilizando a medicação e a psico- terapia, precisamos aceitar isso. Devemos agradecer a Deus pela existência desses recursos e, com toda fé, orar para que a nossa cura resulte na glorificação do seu nome, pois foi o nosso Deus quem criou as substancias terapêuticas e deu inteligência aos homens para desenvolverem remédios. Embora muitas vezes ele opere milagrosamente, há ocasiões em que emprega médicos e psicólogos como instrumento do seu cuidado. Uma postura de super- crente, que nunca fica doente, triste, com dificuldade financeira. Pessoas que sempre estão sorrindo, determinando, repreendendo, reivindicando, exigindo, “colocando Deus na parede”, é um grande erro achar que podemos tirar alguém da depressão mostrando uma falsa aparência e minimizando o problema. A Bíblia nos ensina: “Como quem se despe num dia de frio e como vinagre sobre feridas, assim é o que entoa canções junto ao coração aflito” (Provérbios 25; 20).
Em 2013 foi acometido pela depressão, uma experiência angustiante e assustadora, o colorido da vida é substituído por diferentes tons de cinza, entrei em um estado de desânimo, desgosto, tristeza, medo, apatia, inércia e solidão, em um terrível transtorno de humor. Louvo a Deus pela minha amada esposa Adriana, pelas madrugadas de choro e orações, ela estava o tempo todo ao meu lado. O justo Jó estava sozinho, e declarou: “O meu espírito se vai consumindo, os dias se vão apagando, e só tenho perante mim a sepultura” (Jó 17: 1).
Se eu não estivesse passado por um estado depressivo, certamente você não estaria lendo esta mensagem. Ao passar por esta experiência dolorosa aprendi a entender muitas passagens bíblicas e através da Palavra e do poder de Jesus Cristo, muitas vidas tem sido curadas da depressão. Hoje posso falar: “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Romanos 8: 28). Isso, certamente, inclui a depressão.
Ela tem o poder de mergulhar- nos num pântano de melancolia. Mas também é capaz de identificar pontos críticos em nossa vida, apontando caminhos para o crescimento pessoal. Podemos encarar a depressão como a luz de emergência que pisca no painel de um automóvel. Ao mesmo tempo em que nos incomoda, o aviso nos faz ver algo que não vai bem. Louvado seja Deus, podemos corrigir o que está errado antes que problemas mais graves aconteçam. Jesus, tu és maravilhoso!
No meu caso não precisei ser medicado, mas um psicólogo ou conselheiro capacitado certamente será de grande ajuda à pessoa deprimida. Se ela puder conversar com alguém que entenda o seu problema, sem emitir juízos ou sugerir medidas simplistas, perceberá que encontrou um aliado na sua luta.
Por falta de conhecimento o povo de Deus tem sido destruído, pois, para muitos, os servos de Deus não podem ficar deprimidos, e que tal situação reflete pecado ou falta de fé. Isso não é verdade. A depressão é uma coisa que, até certo ponto, todos experimentamos. Pode acometer- nos em qualquer idade, e pelas mais variadas razões.
Ao abrir- mos as paginas da Bíblia, encontramos homens e mulheres de fé que lutaram contra um sentimento de tristeza asfixiante, uma verdadeira depressão.
Jó: “Eis que [Deus] me matará, já não tenho esperança” (Jó 13: 15).
Moisés: “Se assim me tratas, mata- me de uma vez, eu te peço, se tenho achado favor aos teus olhos, e não me deixes ver a minha miséria” (Números 11: 15).
Noemi: “Não me chameis Noemi; chamai- me Mara, porque grande amargura me tem dado o Todo- Poderoso” (Rute 1: 20).
Ana: “Com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente” (1 Samuel 1: 10).
Davi: “Dentro de mim esmorece o meu espírito, e o coração se vê turbado” (Salmos 143: 4).
Elias: “Basta; toma agora, ó Senhor, a minha alma, pois não sou melhor do que me meus pais” (1 Reis 19: 4).
Jeremias: “Por que dura a minha dor continuamente, e a minha ferida me dói e não admite cura?” (Jeremias 15: 18).
Jesus: “A minha alma esta profundamente triste até a morte; ficai aqui e vigiai” (Marcos 14: 34).
Paulo: “Porque não queremos, irmão, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperar- mos até a própria vida” (2 Coríntios 1: 8).
Creio que Jó é um protótipo do crente desses últimos dias da igreja na face da terra, crentes que serão provados na fornalha da aflição. “Sobrevieram- me pavores, como pelo vento é varrida a minha honra; como nuvem passou a minha felicidade. Agora, dentro de mim se derrama a alma; os dias da aflição se apoderaram de mim” (Jó 30: 15, 16. Grifo meu).  Jó enfrentou todas as esferas da depressão, ele declarou: “Se eu falar, a minha dor não cessa; se me calar, qual é o meu alivio?” (Jó 16: 6).
Jó experimentou o que muitas famílias têm experimentando em nossos dias atuais, a morte dos seus dez filhos. Hoje, famílias inteiras estão sendo dizimadas pela violência. Nossa sociedade esta enfrentando dias de angustia como jamais vista antes, vidas que conhecem na pele a declaração feita pelo servo Jó: “Ao deitar- me, digo: quando me levantarei? Mas comprida é a noite, e farto- me de me revolver na cama, até à alva” (Jó 7: 4). Com a multiplicação da iniquidade, vemos o aumento da maldade e o esfriamento do amor, deixando um saldo de dor e tristeza. “Em vez do meu pão vêm gemidos” (Jó 3: 24). É impossível não chorar vendo os nossos altares sendo pisados e profanados, o comercio instalado em nossas cátedras, com mensagem de auto- ajuda, de motivação, essas pessoas certamente sucumbirão nesses dias de angustia, por não estarem preparadas com a Palavra de Deus. Jesus declarou: “Disse- vos estas coisas para que em mim tenhais paz. No mundo tereis aflições. Mas tende bom animo! Eu venci o mundo”. (João 16: 33. Grifo meu).
Creio que nesses dias de aflição a nossa geração não vai conhecer a Deus apenas de ouvira falar, mas conhecerão por que contemplarão a Ele com os olhos da fé em meio as angustias e aflições. E poderão declarar: “Eu sei que tudo podes; nenhum dos teus planos pode ser impedido. Com os ouvidos eu ouvira falar de ti, mas agora te veem os meus olhos” (Jó 42: 2, 5).
Em meio a devastação, morte e choro, é hora de nos levantarmos das cinzas e deixar os cacos para trás: “Porque eu, o Senhor, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: Não temas, que eu te ajudo” (Isaías 41: 13).
A verdade tem o poder de nos libertar, Jesus declarou: “Então conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8: 32).
Assim como o servo Jó, podemos tomar como certo o livramento divino no momento oportuno. Se às vezes parece que o céu está em silêncio, é porque não somos capazes de escutar o som das bênçãos sendo preparadas. Na hora certa o Senhor as derramará sobre nós. Mesmo quando os recursos humanos se esgotam, podemos conservar a esperança. Lembre- se! Deus não deixará de nos socorrer. “O Senhor é bom, é fortaleza no dia da angustia e conhece os que nele se refugiam” (Naum 1: 7).
Paulo escreveu aos Filipenses: “… para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando- se com ele na sua morte” (Filipenses 3: 10). Se o nosso objetivo é simplesmente servir ao Senhor, podemos acabar fadigados em algum ponto da caminhada. Mas se o nosso propósito, como o de Paulo, Elias e muitos outros, é conhecer a Cristo e amá- lo, descobriremos que Ele nos dará força para torná- lo conhecido aos outros. Perseveremos com alegria na força que Deus dá!
Você que esta passando pela depressão, ouça essa promessa de Jesus: “Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, por que sou manso e humilde de coração, e encontrarei descanso para vossas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mateus 11: 28- 30). Eu te convido a fazer essa troca agora. Invoque o senhor neste momento. Deixe este fardo pesado do pecado, sozinho você ira ficar estagnado, terá dificuldade de mobilização, prostração e perda de espontaneidade, pois, o fardo é muito pesado para você carregar sozinho, aceite a Jesus Cristo como Senhor e Salvador de sua vida e certamente encontrara descanso e alivio. “Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que invocam em verdade” (Salmos 145: 18). Que o Senhor Jesus Cristo te abençoe abundantemente.

Autor: Pastor Elias Fortes.

Fonte: http://pastoreliasemmissoes.blogspot.com.br/

Anúncios